Segunda-feira, 17 de Agosto de 2009

"Conversão" é um termo que pode ter conotações negativas. Como todos nascemos e crescemos no seio de uma religião, a nossa conversão a uma outra acarreta um certo sentimento de perca e de alienação. É quase um pouco como se estivéssemos a negar a nossa raíz cultural, e é por isso que muitos resistem mudar a sua orientação religiosa ainda que, por vezes, se sintam desconfortáveis com a que praticam.


De um ponto de vista emocional, a conversão ao Budismo não é particularmente fácil num País como Portugal: o Budismo parece-nos fortemente alheio; é, no fundo, uma religião que identificamos com o Extremo Oriente e que conota uma herança cultural que nos é estranha. Há quem estude, entenda e até chegue a practicar o Zen sem chegar a ter a coragem de tomar o último passo e reconher que a sua conversão já teve lugar.


Ao se considerar a conversão ao Budismo Chan, e apárte a consideração de que convém ter-se bastante familieridade com os princípios da Religião, é importante ter-se em mente que o Chan não requer mudanças de cultura. Tanto como ao longo da sua expansão pelo Oriente o Chan se adaptou à cultura Coreana e se passou a lá chamar Son, e como ao passar para o Japão se passou a chamar Zen, o Chan está preparado a adoptar os nossos modos culturais ao se espalhar pelo Ocidente.


A prática do Chan não requer vestimentas especiais, não requer implementos particulares nem uma mudança de dieta ou de regime de vida que vão contra as normas culturais Ocidentais. Claro que é recomendável que se reduza o consumo de carne, que se deva observar os preceitos morais apresentados na Via Óctupla, mas nada disto implica que os praticantes se transformem em vegetarianos intrasigentes ou que levem uma vida de monges.


O que é de principal importância é que cada praticante se empenhe a practicar a Via Óctupla, e que se dedique a considerar a mais sensata opção de vida. A nossa Ordem está empenhada a trazer o Chan ao Ocidente e não em transformar os practicantes ocidentais em pseudo-monges.


No próximo post faremos mais menções sobre o que acarreta uma conversão ao Budismo Chan.





publicado por Zen Portugal às 18:45 | link do post | comentar

mais sobre mim
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

O Zen e a Reincarnação

Onde está o Eu?

Três jóias ou um grande d...

"Canção da Meditação"

Felicidade

Chan

Outono

O Céu e o Inferno - Uma h...

Novo colaborador deste Bl...

Simplicidade do CHAN

arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Maio 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

chan

citações

espiritualidade zen budismo chan

história

impermanência

mahayana

meditação

meditação chan

meditação zen

prática

reincarnação

verdade

zen

todas as tags

links