Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

Ao debatermos a prática ou possível "conversão" ao Budismo, o primeiro aspecto sobre que nos debruçamos é o da fé: em que é que os Budistas acreditam? "Acreditar" não será o termo mais próprio, o Budismo é uma religião de prática e que incide fortemente na experiência pessoal. Ao contrário das religiões ocidentais - Cristianismo, Judaísmo, Islão - o Budismo não requer que se se acredite num Deus ou numa hierarquia de crenças. O Budismo não tem uma teologia no sentido de sustentar uma disciplina que estude um Deus e a sua possível relação com o homem. O que o Budismo tem é um imenso historial de exploração da mente e da natureza da Realidade, e todo este historial se reduz a quatro verdades elementares que o Buda Shaquiamuni articulou durante a meditação e que o levou à libertação. em vez de "acreditar", todos os Budista reconhecem a profundidade das Quatro Nobres Verdades:

  • Dukha - "sofrimento" - este verdade indica que a vida é cheia de sofrimento e obstáculos, que vivemos num estado permanente de insatisfação, quer seja em relação às nossas finanças, ao nosso estado profissional, à nossa família, educação, status social ou qualquer outra ração que se queira pensar. A vida é um permanente estado de insatisfação, nunca temos o que queremos e nunca queremos o que temos, o que obtemos nunca chega.
  • Samudaya - "causa do sofrimento" - a causa do nosso constante sofrimento ou insatisfação é a nossa ânsia constante, estamos sempre à procura de mais, de melhor. Estamos sempre a comparar o que temos e o que somos com o que os outros têm ou com a nossa imagem do que deveríamos ser e do que deveríamos ter. Os Tibetanos pintam uma criatura alegórica que demonstra bem este princípio: é um ser vagamente humano que tem uma boca muito pequena e uma barriga imensa: tal como cada um de nós, a barriga é maior do que o que conseguimos comer, no fim, não interessa quanto comamos, estamos sempre com fome para mais.
  • Nirodha - "cessar o sofrimento" - esta verdade indica-nos que não há razão para vivermos insatisfeitos, que há maneira de parar essa insatisfação. Um pouco como nas Ciências, o Budismo identifica um problema, detecta-lhe a causa e prescreve uma solução. Por muito ou pouco que a esperança nos anime, pudemos estar cientes que é possível derrotar o nosso sentido constante de insatisfação
  • Marga - "o caminho que acaba com o sofrimento" - esta verdade diz-nos que ao seguirmos a Via Óctupla estamos a caminho de eliminar o sofrimento. Como veremos, esta via é essencial para a prática do Budismo e constitui os alicerces de uma sólida prática de Chan.

Como indicávamos acima, estas verdades não são dogmas em que se acredite mas sim observações que cada um pode fazer sobre a vida em geral. Não é necessária grande educação, fé ou habilidade filosófica, a mera observação do curso das nossas vidas nos levará ao reconhecimento destas verdades. Este reconhecimento é o primeiro passo para a prática do Budismo.



publicado por Zen Portugal às 18:46 | link do post | comentar

mais sobre mim
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

O Zen e a Reincarnação

Onde está o Eu?

Três jóias ou um grande d...

"Canção da Meditação"

Felicidade

Chan

Outono

O Céu e o Inferno - Uma h...

Novo colaborador deste Bl...

Simplicidade do CHAN

arquivos

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Maio 2012

Maio 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

chan

citações

espiritualidade zen budismo chan

história

impermanência

mahayana

meditação

meditação chan

meditação zen

prática

reincarnação

verdade

zen

todas as tags

links